Eclipse total da Lua – 15 de abril de 2014

Aqui em São Paulo, as condições meteorológicas não ajudaram, não foi possível observar o Eclipse.

Acompanhei durante a madrugada as imagens geradas pelo “Griffith Observatory” (em Los Angeles-Califórnia-EUA) e transmitidas pelo canal da NASA.

Abaixo algumas imagens a partir da transmissão ao vivo.

Foi um belíssimo espetáculo !!!

Prof HelmaFisica

Veja como foi o Eclipse Total da Lua (15 de abril de 2014)

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

eclipse foto1

Lua avermelhada durante um eclipse lunar total (Matt King/Getty Images)

 

Visível durante a madrugada do dia 15 de abril

Dicas :

 

– o melhor horário para observar o eclipse será entre 3h e 5h da manhã, quando se visualizará toda a primeira fase parcial e boa parte da totalidade;

-olhar para o lado oeste;

– binóculos ou telescópios amadores podem ser usados, embora o evento seja totalmente visível a olho nu;

– ao contrário dos eclipses solares, neste caso não é necessário adotar nenhuma medida especial de proteção para os olhos.

 

tabela1

 

Um dos principais eventos astronômicos do ano está se aproximando. Na madrugada de terça-feira, 15 de abril, a partir da 1h53 da manhã (horário de Brasília), começa o eclipse total da Lua, aquele em que o satélite fica totalmente encoberto pela parte mais escura da sombra da Terra. O fenômeno poderá ser observado em todo território nacional e marca o início de uma série de eclipses nos próximos dois anos.

A tétrade, como é chamado o conjunto de quatro eclipses totais da Lua que ocorrem em uma sequência de dois anos, termina em setembro de 2015. Esse evento é especial porque eclipses normalmente se intercalam entre totais, parciais (quando a Lua ficaparcialmente encoberta pela parte mais escura da sombra da Terra) e penumbrais (quando a parte mais clara da sombra da Terra encobre a Lua). A tétrade é relativamente rara: no século XXI haverá oito delas, sendo a que se inicia no dia 15 a segunda — a primeira ocorreu de 2003 para 2004, e a terceira será em 2032 e 2033.

Todo o continente americano poderá visualizar oeclipse na terça-feira. Na primeira hora, no entanto, o fenômeno será praticamente invisível a olho nu, pois a Lua estará na parte externa e mais clara da sombra da Terra, a penumbra. A partir das 2h58 (horário de Brasília), o satélite começa a adentrar a umbra, parte central e mais escura da sombra, e poderá ser visto “sumindo”. Essa etapa será concluída às 4h06 da manhã, quando a Lua estará totalmente encoberta pela umbra. Ela permanecerá assim por mais de uma hora, e começará a sair da sombra às 5h24, reaparecendo no céu.

O evento está previsto para chegar ao fim às 7h30, mas antes disso a Lua já terá saído completamente da parte mais escura da sombra, além de estar muito baixado horizonte, dificultando a visão. “No Brasil, o melhor horário para observar o eclipse será entre 3h e 4h30 da manhã, quando se visualizará toda a primeira fase parcial e boa parte da totalidade”, diz Gustavo Rojas, astrofísico da Universidade Federal de São Carlos.

Quem quiser ver o fenômeno deve olhar para o lado oeste.Binóculos ou telescópios amadores podem ser usados, embora o evento seja totalmente visível a olho nu. De acordo com o especialista, ao contrário dos eclipses solares, neste caso não é necessário adotar nenhuma medida especial de proteção para os olhos.

lua-vermelha-eclipse

Luz vermelha em eclipse

Lua vermelha — Mesmo quando estiver totalmente encoberta pela sombra da Terra, a Lua não vai desaparecer no céu — ela ficará um pouco menos brilhante e com um tom avermelhado. No momento do eclipse, a luz do Sol não chega diretamente à Lua. A atmosfera da Terra age como uma lente e desvia alguns raios solares até o satélite. Como a nossa atmosfera tem partículas que espalham mais a luz azul e menos a vermelha, a luz que atinge a Lua é predominantemente vermelha. Esse fenômeno também explica porque o Sol fica avermelhado ao entardecer: nesse momento, a luz está atravessando uma camada mais grossa de atmosfera, de modo que sobra mais luz vermelha.

 Durante um eclipse lunar, a Lua passa por trás da sombra da Terra, a escurece. Se você pudesse dar uma olhada no interior da Terra a partir de sua sombra, você veria que a atmosfera ao redor da borda de todo o planeta brilha em vermelho. Mais uma vez, isso é porque uma grande quantidade de luz da luz azul e verde foi espalhada pela atmosfera, deixando a luz vermelha atravessar em linha reta. Durante um eclipse lunar, a Lua passa totalmente na sombra da Terra não recebendo mais luz diretamente do Sol , no entanto, essa luz vermelha que passa através da atmosfera da Terra chega à Lua, e brilha sobre ela.

 

 Para acompanhar o Eclipse ao vivo (Transmissão da NASA):

 http://www.ustream.tv/channel/nasa-msfc

 

Anúncios

Stephen Hawking comenta sobre o Bóson de Higgs

 

hawking-higgs-boson

Numa entrevista para a BBC, o famoso Stephen Hawking diz que tinha apostado com o professor Gordon Kane de que a partícula de Higgs não seria encontrada.
No seu estilo racional, Hawking conclui: parece que perdi 100 dólares (80 euros).

http://astropt.org/blog/2012/07/06/hawking-perde-100-com-o-higgs/

 

 

Fantástico!!!

Pelo sorriso do Stephen Hawking no final da entrevista, ele nem

se importou em perder a aposta…rs

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Sobre Stephen Hawking

Stephen Hawking, responsável por contribuições fundamentais ao estudo dos buracos negros, ocupa a cadeira de Isaac Newton como professor de matemática na Universidade de Cambridge, e é considerado o mais brilhante físico teórico desde Albert Einstein.

Sua história é marcada pela superação de limites. Em 1959, com 17 anos de idade, entrou para a University College, em Oxford, onde estudou física, concluindo o curso em 1962. No mesmo ano, Hawking descobriu que possuía esclerose lateral amiotrófica, uma doença degenerativa que enfraquece os músculos do corpo. Mesmo doente, continuou estudando até se tornar Ph.D. em cosmologia pelo Trinity Hall, em Cambridge, Inglaterra (1966).

Em 1970, Hawking iniciou o trabalho sobre as características dos buracos negros. Como resultado de sua pesquisa, descobriu que buracos negros emitem radiação. Em 1979, assumiu a posição de professor e retornou, durante os anos 1980, a um interesse artigo sobre as origens do Universo e como a mecânica quântica pode afetar o destino.

Em 1985, enfrentou uma pneumonia e passou a necessitar de cuidados constantes. Imobilizado numa cadeira de rodas e se comunicando através de um sintetizador de voz, Hawking dá continuidade à sua ciência. Foi co-autor em muitas publicações, como “300 Years of Gravity” e “The Large Scale Structure of Space-time” e autor de obras consagradas como “Breve História do tempo” (1988), “Buracos Negros, Universos Bebês e Outros Ensaios” (1993) e “O Universo numa Casca de Noz”, lançado no Brasil em 2001.

Enquanto procura juntar as pontas entre as teorias da relatividade e da mecânica quântica, o físico inglês afirma que a simbiose entre o orgânico e a máquina acontecerá em breve.

Hawking continua a ensinar e gosta de viajar com sua esposa e seus três filhos.

Prêmio Nobel de Física 2013

O prêmio Nobel de Física 2013 foi para François Englert e Peter W. Higgs (83 anos), pela descoberta da teoria e mecanismo que contribui para entendermos a origem da massa subatômica de partículas, e que foi recentemente confirmada pela descoberta da partícula fundamental prevista por eles (Bóson de Higgs) no acelerador LHC (Large Hadron Collider).

http://www.nobelprize.org/nobel_prizes/physics/laureates/2013/

The Nobel Prize in Physics 2013

englert

Englert

higgs

Higgs

Esses cientistas formularam a teoria nos anos 60 e apenas no ano passado, depois de gastar US$ 8 bilhões, é que testes no maior acelerador de partículas do mundo, conseguiram provar suas teses e identificar o que seria o bóson. Para o Nobel, o prêmio vai para uma descoberta que abriu uma nova dimensão da física.

Maiores Informações sobre o Bóson de Higgs no link abaixo:

http://lceo.wordpress.com/2013/10/08/o-que-o-boson-de-higgs-nao-e/

Queda de corpo semelhante a meteorito na Califórnia- EUA

Meteorito caiu desta vez nos EUA

fonte: http://portuguese.ruvr.ru/2013_02_16/meteorito-caiu-esta-vez-nos-eua-video/

meteorito

Os habitantes do estado norte-americano da Califórnia observaram a queda de um corpo celeste semelhante ao meteorito que caiu na sexta-feira na região de Chelyabinsk, na Rússia.

Moradores de várias cidades no norte do estado afirmam que viram uma bola de fogo no céu noturno. O DVR de um carro registrou esta sexta-feira à noite, numa estrada perto da cidade de São Francisco, um objeto não-identificado brilhante no céu durante vários segundos, que depois desapareceu.

 

16/02/2013 09h32 – Atualizado em 16/02/2013 09h36

Moradores dos EUA relatam passagem de ‘meteoro’ nesta sexta

Bola de fogo cruzou o céu de diversas cidades da Califórnia durante a noite.
Fenômeno ocorre no mesmo dia em que meteoro caiu em região da Rússia

fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/02/moradores-dos-eua-relatam-passagem-de-meteoro-nesta-sexta.html

Moradores de cidades da Califórnia, nos Estados Unidos, relataram nesta sexta-feira (15) a aparição de uma bola de fogo que cruzou o céu da região. As informações foram relatadas a diversas emissoras locais de televisão.

O fato chama a atenção já que no mesmo dia um meteoro caiu na região de Cheliabinsk, na Rússia, ferindo mais de mil pessoas que foram atingidas por estilhaços de vidro, de acordo com o governo russo.

Segundo informações da rede NBC, o fenômeno ocorreu durante à noite, por volta das 19h45, horário da Califórnia. Moradores de Fairfield, Gilroy, Sacramento, Newark, Walnut e St. Helena afirmam ter visto uma estrela cadente de cor azulada e que parecia estar indo direto para o chão. Um vídeo divulgado no YouTube mostra o momento em que uma luz brilhante cruza o céu de San Francisco (veja aqui).

Não se sabe se este fenômeno tem relação com o meteoro que caiu na Rússia ou ainda com a passagem do asteroide 2012 DA14, que por volta das 17h25 (hora de Brasília) ficou a uma distância de 27 mil km da Terra, considerada muito próxima de acordo com cientistas da agência espacial americana Nasa.

De acordo com o astrônomo Gerald McKeegan, ouvido pela NBC, pelos relatos das testemunhas é possível afirmar que foi um “meteoro esporádico”, que pode surgir várias vezes ao dia. No entanto, ele não descarta a possibilidade do rastro de luz ser lixo espacial que entrou na atmosfera da Terra e se incinerou.

Mais Notícias sobre o meteoro que atingiu a Rússia

Reprodução do site G1 da  Globo.com

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/02/mergulhadores-exploram-lago-russo-que-teria-sido-atingido-por-meteoro.html

16/02/2013 10h40 – Atualizado em 16/02/2013 18h32

Mergulhadores exploram lago russo que teria sido atingido por meteoro

Seis profissionais buscam fragmentos de corpo celeste, diz governo.
Equipe avalia estabilidade sísmica de edifícios na região de Cheliabinsk.

Do G1, com agências internacionais*

(clique no link original do G1 acima para ver o vídeo)

Uma equipe de mergulhadores vasculha neste sábado (16) o lago Shebarkul, na região de Cheliabinsk, na Rússia, atrás de fragmentos do meteoro que caiu nesta sexta-feira e, supostamente, teria atingido essa superfície de água congelada.

Uma rachadura na cobertura espessa de gelo levantou a suspeita de um possível impacto do corpo celeste na área.

De acordo com um porta-voz do Ministério de Situações de Emergência, em entrevista a agências de notícias russas, um grupo de seis mergulhadores inspecionará as águas em busca de fragmentos. Caso seja encontrado algum pedaço do corpo celeste, poderá ser classificado de meteorito.

Quando um corpo rochoso vem do espaço e entra na atmosfera, ele é inicialmente chamado pelos astrônomos de meteoro. Caso atinja o solo, em vez de se desfazer em atrito com a atmosfera, ele – ou seus fragmentos – passam a ser classificados de “meteorito”, conforme explica o astrônomo Cássio Barbosa, colunista do G1.

Maior em 100 anos
A agência espacial americana Nasa divulgou informações capturadas por uma rede de sensores que permitiu uma melhor avaliação do objeto que cruzou o céu da Rússia. Segundo a instituição, o tamanho do meteoro era de 17 metros e seu peso era de 10 mil toneladas antes de entrar na atmosfera terrestre. Quando se desintegrou no céu, às 0h20 (horário de Brasília) desta sexta-feira, devido ao atrito com o ar, foram liberados 500 kilotons de energia (ou seja, aproximadamente o equivalente à detonação de 500 toneladas de TNT), segundo as estimativas.

Imagem divulgada pelo Departamento de Polícia da região de Cheliabinsk neste sábado (16), mas feita na sexta (15), mostra pequeno fragmento encontrado na beira do lago Chebakul, local onde, supostamente, o meteoro teria caído (Foto: Divulgação/Departamento de Polícia de Cheliabinsk)
Imagem divulgada pela Polícia da região de Cheliabinsk
neste sábado (16) mostra um pequeno fragmento de
rocha achado na beira do lago Chebakul. No entanto, não
há ainda confirmação de que pedaços do meteoro tenham
sido encontrados. O local é investigado já que,
supostamente, o meteoro teria caído em seu interior
(Foto: Divulgação/Departamento de Polícia de Cheliabinsk)

O primeiro registro da entrada do meteoro na atmosfera terrestre foi feito no Alasca, a mais de 6.500 km da região russa, onde houve os estragos.

Os sensores de infrassom indicam que, desde o momento da entrada do meteoro na atmosfera, até sua desintegração, se passaram 32,5 segundos.

“Poderíamos esperar que um evento dessa magnitude ocorresse a cada 100 anos, em média”, avalia o cientista Paul Chodas, da Nasa, que encabeça um programa da agência voltado para objetos espaciais próximos à Terra.

“Quando há uma bola de fogo desse tamanho, esperaríamos que um grande número de meteoritos chegasse ao solo e, nesse caso, provavelmente deve ter havido alguns grandes”, avalia, em nota. O meteoro é o maior de que se tem notícia a impactar nosso planeta desde 1908, quando outra rocha vinda do espaço caiu em Tunguska, na Sibéria, inbforma a Nasa.

A agência americana voltou a reforçar que não há relação entre o meteoro que caiu na Rússia e o asteroide 2012 DA14, que passou perto da terra na tarde de sexta-feira (pelo horário de Brasília).

De acordo com o ministro russo de Situações de Emergência, Vladimir Pushkov, uma equipe especial do governo foi enviada à região para avaliar a estabilidade sísmica dos edifícios. Ele comentou ainda que haverá cuidados ao religar o gás dessas edificações.

Pessoa pbserva buraco provocado por meteorito em lago congelado Chebarkul na Rússia. (Foto: AP)Pessoa observa buraco provocado nesta sexta-feira (15) por meteoro em lago congelado Shebarkul na Rússia (Foto: AP)

O governo de Cheliabinsk iniciou uma grande operação para consertar os estragos provocados pelo fenômeno. Cerca de 20 mil pessoas foram mobilizadas no país para participar da limpeza e também do atendimento aos feridos, que ainda neste sábado permaneciam sob observação médica.

Último dado divulgado pelo Ministério do Interior russo aponta que ao menos mil pessoas tiveram ferimentos devido aos estilhaços de vidro, que se quebraram com a aparição da bola de fogo no céu. Deste total, 200 seriam crianças.

meteorito na rússia (Foto: Reprodução)
Montagem mostra queda de meteoro na Rússia
nesta sexta-feira (Foto: Reprodução)

Sistema de defesa
Agências de notícias afirmam que autoridades da Rússia defenderam a criação de um sistema conjunto de combate a asteroides. Alexei Pushkov, chefe do Comitê de Assuntos Exteriores do Parlamento russo, escreveu em sua conta no Twitter que “’em vez de lutar na Terra, as pessoas deveriam criar um sistema conjunto de defesa dos asteroides”.

A opinião é compartilhada pelo presidente russo, Vladimir Putin. Segundo a agência de notícias “France Presse”, o presidente convocou os Estados Unidos a se unir ao país e à China para criar um sistema de defesa contra asteroides.

Nesta semana, pela primeira vez um grupo de trabalho das Nações Unidas propôs um plano de coordenação internacional para detectar asteroides potencialmente perigosos e, em caso de risco para a Terra, preparar uma missão espacial com capacidade para desviar sua trajetória.

Meteoro - arte (Foto:  )

“O risco de que um asteroide se choque contra a Terra é extremamente pequeno, mas, em função do tamanho do asteroide e do local do impacto, as consequências podem ser catastróficas”, indica um relatório entregue esta semana aos estados-membros pelo Escritório da ONU para o Espaço Exterior (Unoosa, na sigla em inglês).

O relatório de 15 páginas foi elaborado por um grupo de trabalho criado em 2007, em Viena, na Áustria. Atualmente são conhecidos cerca de 20 mil asteroides próximos à Terra, dos quais aproximadamente 300 são potencialmente perigosos, explica o diretor do grupo de trabalho que redigiu o documento, o mexicano Sergio Camacho.

Até 2020, o analista prevê que serão detectados até meio milhão de asteroides próximos a nosso planeta, graças à melhora da tecnologia de localização. “São objetos que estão aí, mas não sabemos onde estão”, ressalta.

O asteróide 2012 DA14 passará “próximo” à Terra….

Hoje o céu está agitado mesmo !

O asteróide 2012 DA14 passará “próximo” à Terra….

A distância é de pouco mais de 27.000 quilômetros, a mais curta já registrada em um evento desse tipo. (a distância entre a Terra e a Lua é cerca de 400.000 km )

Sua passagem deve durar aproximadamente 33 horas e não poderá ser vista do Brasil.

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/nasa/36614-acompanhe-a-passagem-do-asteroide-2012-da14-ao-vivo.htm#ixzz2KypXv7cQ

A NASA transmitirá a passagem do astro ao vivo, através do site USTREAM.

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/nasa/36614-acompanhe-a-passagem-do-asteroide-2012-da14-ao-vivo.htm#ixzz2Kyp6Ou93

http://tecmundo.com.br/nasa/36614-acompanhe-a-passagem-do-asteroide-2012-da14-ao-vivo.htm

Meteorito cai na Rússia (fevereiro 2013)

Meteoro, desintegração, sonic boom (ondas sônicas) !!!

A entrada de pequenos meteoritos é mais frequente do que se pensa. Mas não apresentam um risco para a humanidade como um todo.

De qualquer modo, estamos vulneráveis a pequenos asteróides que não tenham antes sido detetados e que se aproximem da Terra.

Meteorito explode no céu da Rússia e fere mais de 500 pessoas!

Região da Rússia é atingida por fragmentos de meteorito e deixa mais de 500 feridos. Fragmentos foram encontrados em 6 cidades. Em Chelyabinsk, moradores disseram que houve tremores e janelas explodiram durante a explosão do meteorito ,celulares também pararam de funcionar, a ESA (European Space Agence) comunicou que o evento.

 Região da Rússia é atingida por fragmentos de meteorito e deixa mais de 500 feridos

Fragmentos foram encontrados em 6 cidades.Em Chelyabinsk, moradores disseram que houve tremores e janelas explodiram durante a explosão,celulares também pararam de funcionar, a ESA (European Space Agence) comunicou que o evento não tem relação com o asteroide 2012 DA14 que tem de 45 a 90 metros e passará muito próximo do Planeta hoje. (15-02-13)
Prédios, casas e fábricas foram atingidas e parte do meteorito pode ter caído em um lago.
Por conta dos vidros estourarem moradores estão recorrendo a plásticos para proteger as casas, pois a previsão do tempo aponta que nos próximos dias a temperatura será de aproximadamente -14°C.

meteorito russia

meteorito_ceu_

meteoro1

meteoro3

QUAL A DIFERENÇA ENTRE ASTEROIDE, METEORITO E METEORO?
Asteroides são corpos celestes menores que planetas que vagam pelo Sistema Solar desde sua formação, há 4,6 bilhões de anos. Meteoritos são pedaços de asteroides que eventualmente atingem a superfície da Terra. Meteoros são os rastros luminosos produzidos por pedaços de asteroides em contato com a atmosfera da Terra, resultado do atrito com o ar, e são popularmente reconhecidos como estrelas cadentes.

Rússia: sobe a 950 total de feridos após queda de meteorito

À CNN, porta-voz da Nasa informa que incidente não tem relação com asteroide que passará perto da Terra nesta sexta-feira (15-02-13)

meteorito-russia

Mais de 900 pessoas ficaram feridas, três delas com gravidade, depois que um meteorito caiu e se desintegrou sobre a região russa de Tcheliabinsk – Nasha gazeta/AP

Pelo menos 950 pessoas ficaram feridas nesta sexta-feira após a queda de um meteorito na região russa de Tcheliabinsk, nos Montes Urais (centro do país). O impacto da queda do corpo celeste estilhaçou janelas e sacudiu prédios nas proximidades. De acordo com autoridades russas, a maioria dos feridos sofreu apenas lesões leves – 46, contudo, permanecem internados.

Em pronunciamento após o incidente, o presidente russo Vladimir Putin agradeceu a Deus pelo fato de nenhum fragmento ter atingido regiões mais povoadas. Especialistas da Academia de Ciências Russa acreditam que o incidente foi provocado por um meteorito com peso estimado em 10 toneladas que atingiu a atmosfera terrestre a uma velocidade de 54.000 quilômetros por hora e desintegrou-se a uma altura entre 30 e 50 quilômetros do chão. De acordo com comunicado da Academia, fragmentos do meteorito acabaram por atingir o solo.

De acordo com levantamento da agência de notícias EFE, o episódio desta sexta é o mais grave incidente originado por um corpo celeste na Terra nos últimos anos. Os fragmentos do meteorito causaram danos em pelo menos seis cidades. O corpo celeste caiu por volta das 9h20 hora local (1h20 horário de Brasília), a cerca de 80 quilômetros da cidade de Satka, capital do distrito homônimo.

A queda aconteceu no mesmo dia em que está prevista a passagem do asteroide 2012 DA14, que tem entre 45 e 95 metros de diâmetro, a 27.860 quilômetros da Terra — a maior aproximação já registrada de um objeto cósmico com o nosso planeta. Em entrevista à rede americana CNN, o porta-voz da Nasa Steve Cole afirma que os incidentes não passam de uma “coincidência”. “São objetos completamente alheios. É uma estranha coincidência que estejam ocorrendo ao mesmo tempo”, afirmou. “Esse tipo de corpo celeste cai com muita frequência, mas costuma cair no mar ou no deserto, onde não provoca consequências para população”, explicou.

Um meteorito também foi o responsável pela gigantesca explosão que devastou 2.200 quilômetros e arrasou mais de 80.000 árvores na manhã do dia 30 de junho de 1908 na região do rio Tunguska na Sibéria. A explosão do chamado ‘evento de Tunguska’ foi 300 vezes maior que a da bomba nuclear de Hiroshima. Ela não criou, no entanto, uma cratera na terra e suscitou todo tipo de teorias exóticas, inclusive a de que a explosão foi causada por uma nave extraterrestre.

 

Histórico — Segundo os cientistas, a queda de um meteorito de 10 quilômetros de diâmetro sobre a península de Iucatã, no México, foi a responsável pelo fim da era dos dinossauros há 65,5 milhões de anos e afetou quase 70% das espécies do planeta. A maior cratera originada pelo impacto de um meteorito na Terra foi descoberta em 2006 na região oriental da Antártida e tem 480 quilômetros de diâmetro. Está a uma profundidade de quase dois quilômetros sob a camada de gelo e calcula-se que a queda aconteceu há 250 milhões de anos.

Os episódios em que fragmentos de um meteorito atingiram a Terra são muitos, mas são poucas as ocasiões das quais existem evidências concretas de que tenham causado danos. Em setembro de 1999 um pequeno meteorito caiu sobre uma casa na cidade de Kobe (Japão) e perfurou o telhado, sem deixar nenhum ferido. A rocha se fragmentou em duas partes ao se chocar com a casa, sendo que a maior media cinco centímetros e pesava 60 gramas.

Em março de 2003 uma chuva de meteoritos, que tinha entre um e dez centímetros de diâmetro, caiu sobre os estados de Illinois, Indiana, Ohio e Wisconsin, no meio oeste dos Estados Unidos. Não foram registradas ocorrências de feridos, apesar dos objetos terem atravessado os telhados de duas casas.

Asteroides — Em relação aos asteroides, são vários os ‘potencialmente perigosos’ que passaram próximos da Terra nos últimos anos, mas nenhum chegou tão perto quanto o 2012 DA14 irá chegar. Em março de 2009, o DD45 — com cerca de 30 metros de diâmetro — passou a 70.000 quilômetros da superfície terrestre, sobre o Oceano Pacífico nas proximidades do Taiti.

Em outubro do mesmo ano, um asteroide com entre cinco e dez metros de diâmetro explodiu na atmosfera sobre a Indonésia com uma potência de 50 quilotons — três vezes maior que a bomba de Hiroshima. Em outubro de 2008, um pequeno asteroide de cinco metros de diâmetro colidiu com a atmosfera terrestre sobre o Sudão, sendo o primeiro a ser acompanhado pelos cientistas antes de atingir a Terra.

 

Vejam no link mais alguns vídeos e fotos do evento na Rússia

http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/russia-sobe-a-950-total-de-feridos-apos-queda-de-meteorito

http://astropt.org/blog/2013/02/15/meteorito-cai-na-russia-e-provoca-varios-feridos/

http://www.astronomiaqui.com/2013/02/meteorito-explode-no-ceu-da-russia-e.html#.UR5FzqU3uSo

Austríaco supera velocidade do som com salto da estratosfera

14/10/2012

Felix Baumgartner atingiu velocidade de 373 metros por segundo em salto.

 

veja aqui o salto !

 

O austríaco Felix Baumgartner superou a velocidade do som ao saltar da estratosfera no início da tarde deste domingo (14). Segundo dados da Associação Aeronáutica Nacional dos Estados Unidos, o piloto atingiu a velocidade de 373 metros por segundo durante o salto (a velocidade do som é de pouco mais de 340 metros por segundo). A associação é o braço norte-americano da Organização Internacional de Recordes.

Brian Utley, representante da associação que analisou os dados do voo, afirmou que o salto foi de pouco mais de 39 mil metros e o tempo de queda livre chegou a 4 minutos e 20 segundos. Utley destacou que os dados são preliminares e ainda precisam ser certificados por outras organizações.

Perguntado sobre como era a sensação de quebrar a barreira da velocidade do som, o piloto disse que “não sentiu nada” e não lembra o momento exato em que conseguiu atingir a velocidade.

“Quando eu estava lá, no topo do mundo, eu não pensava mais em quebrar recordes. Você fica humilde, você só quer voltar vivo. Foi a coisa mais importante do mundo, quando eu estava lá”, disse Baumgartner, na coletiva de imprensa concedida depois do salto.

Baumgartner fala com a imprensa depois de saltar da estratosfera (Foto: Reprodução)Baumgartner fala com a imprensa depois de saltar da estratosfera (Foto: Reprodução)

O piloto conta que, quando ele chegou ao local de onde saltaria, disse: “Sei que o mundo todo está me vendo agora e queria que o mundo pudesse ver o que eu vi. Você tem que ir muito alto para entender o quão pequeno é.”

Cápsula que levou piloto à estratosfera (Foto: Red Bull, Predrag Vuckovic/AP)Cápsula que levou piloto à estratosfera
(Foto: Red Bull, Predrag Vuckovic/AP)

Para o austríaco, o momento mais empolgante do salto foi “quando ele estava no topo do mundo”, pronto para saltar. Já o momento mais bonito, diz ele, foi quando se encontrou com Mike Todd, da equipe que acompanhava a missão: “Ele apareceu sorrindo como uma criança. Nós nos tornamos muito ligados, me sinto como um filho dele.”

Baumgartner afirmou, ainda, que enfrentou problemas na queda, mas a situação já havia sido antecipada. Segundo ele, os giros previstos para a queda acabaram sendo muito violentos, mas a situação foi contornada. Outra dificuldade do salto foi que o piloto perdeu contato com a central responsável pela missão por alguns momentos durante a queda.

Com o sucesso do salto, o austríaco conta que quer “inspirar a próxima geração”. “Quero ajudar quem quiser vir e quebrar meu recorde”, conta.

Jonathan Clarck, diretor da equipe médica do projeto, contou que o piloto usou um sistema de monitoramento durante o salto e os dados obtidos serão usados em pesquisas. “O mundo precisa de um herói e hoje ele ganhou um”, disse.

Salto
Baumgartner saltou de uma cápsula levada por um balão à estratosfera por volta das 15h05. Às 15h11, o paraquedas abriu. Às 15h16, ele chegou ao solo. O salto estava marcado inicialmente para a terça-feira (9), mas foi cancelado devido aos fortes ventos.

O balão que levou a cápsula até a estratosfera começou a subir às 12h30. A subida, que demorou 2h30, atrasou várias horas devido ao vento excessivo em Roswell, nos Estados Unidos, local escolhido para a realização da missão.

Horas antes, Baumgartner colocou seu traje pressurizado, que o protegeu das temperaturas de até 70 graus abaixo de zero registradas na estratosfera e que aclimatou seu corpo antes do lançamento.

Baumgartner coloca seu traje especial para as condições do salto (Foto: Divulgação)Baumgartner coloca seu traje especial para as condições do salto (Foto: Divulgação)

Além de oferecer oxigênio, a cápsula e o traje o protegeram de uma pressão tão baixa que explodiria seus órgãos internos. Para saltar, o austríaco respirou oxigênio puro para eliminar o nitrogênio de seu sangue, que poderia se expandir em alturas elevadas e com isso ameaçar sua saúde.

O início da fase final de preparação do salto estava previsto para as 9h (de Brasília), mas as rajadas de vento atrasaram essa etapa. O projeto foi realizado em Roswell, nos Estados Unidos. “Ocorreu o mesmo que na terça-feira passada, quando os ventos atingiram a parte superior do balão”, explicou Don Day, o meteorologista chefe do projeto à televisão austríaca Servus.

Na terça-feira passada, a subida do balão de hélio foi suspensa devido ao forte vento. Para o lançamento ocorrer, os ventos devem ser de menos de 3 km/h nos primeiros 244 metros. Às 7h55 (de Brasília) foram registradas rajadas de vento de 11 km/h no local da missão.

O balão utilizado é o único de reserva, por isso, se o projeto não fosse realizado neste domingo, seria suspenso por vários meses, já que se ele fosse aberto não poderia ser reutilizado. O tecido sintético do balão é muito delicado, de apenas 0,002 centímetros de espessura.

link da notícia:

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/10/austriaco-supera-velocidade-do-som-com-salto-da-estratosfera.html

por Prof Helma- Física Postado em Notícias

Teórico que previu o Bóson de Higgs diz que ‘é muito agradável ter razão’

Atualizado em 06/07/2012 14h56

Peter Higgs concedeu coletiva de imprensa na Escócia nesta sexta (6).
Na quarta, cientistas nucleares anunciaram descoberta de partícula inédita.

Do G1, com agências internacionais*

Infográfico Bóson de Higgs (Foto: Arte/G1)

Depois de quase 50 anos defendendo a existência de uma nova partícula subatômica, apelidada de “a partícula de Deus” — já que teria dado origem à massa de todas as outras partículas –, o cientista britânico Peter Higgs, pai desta teoria, disse nesta sexta-feira (6) que “é bom ter razão de vez em quando”.

Na última quarta-feira (4), cientistas do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em francês) anunciaram a observação de uma partícula subatômica inédita até então. Eles veem fortes indícios de que se trate do “bóson de Higgs”, única partícula prevista pela teoria vigente da física que ainda não tinha sido detectada em laboratórios, e que vinha sendo perseguida ao longo das últimas décadas.

Pela teoria, o bóson de Higgs teria dado origem à massa de todas as outras partículas. Se sua existência for confirmada, portanto, é um passo importante da ciência na compreensão da origem do Universo. Se ele não existisse, a teoria vigente deixaria de fazer sentido, e seria preciso elaborar novos modelos para substituí-la.

“É muito agradável ter razão de vez em quando (…) foi uma longa espera”, admitiu o físico durante a coletiva.

E o Nobel vai para…?
Higgs concedeu uma coletiva de imprensa na Universidade de Edimburgo, na Escócia. Conhecido por sua modéstia, o professor aposentado de 83 anos deu pouca importância aos comentários de cientistas famosos de que seria o favorito para vencer o Prêmio Nobel. “Não sei, não tenho amigos no Comitê Nobel”, comentou.

Indagado sobre o que vai fazer no futuro, Higgs disse que quer simplesmente continuar com sua vida de aposentado. “O único problema, creio, é que terei de escapar da imprensa”, brincou.

Em 1964, Peter Higgs postulou a existência de uma partícula subatômica, que os físicos do Cern afirmam ter, talvez, encontrado depois de uma longa busca.

Quando teve a intuição de um “campo” que se assemelha a uma espécie de cola, onde as partículas ficariam mais ou menos presas, Higgs disse ao antigo colega Alan Walker: “Ah, que m…., eu sei como fazer!”

O físico publicou um artigo sobre sua teoria, que acabou se tornando o carro-chefe de uma escola científica para a qual vários físicos têm contribuído ao longo dos anos. Tímido e sossegado, Higgs leva uma vida pacata em Edimburgo, onde deu aulas por muitos anos.

‘Partícula de Deus’
O “bóson de Higgs” ganhou o apelido de “partícula de Deus” em 1993, depois que o físico Leon Lederman, ganhador do Nobel de 1988, publicou o livro “The God Particle” (literalmente “a partícula de Deus”, em inglês), voltado a explicar toda a teoria em volta do bóson de Higgs para o público leigo. Ainda não há edição desse livro em português.

A nova partícula tem características “consistentes” com o bóson de Higgs, mas os físicos ainda não afirmam com certeza que se trate da “partícula de Deus”. Para isso, eles vão coletar novos dados para observar se a partícula se comporta com as características esperadas do bóson de Higgs.

As conclusões foram baseadas em dados obtidos no Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), acelerador de partículas construído pelo Cern ao longo de 27 quilômetros debaixo da terra, na fronteira entre a França e a Suíça.

Essa máquina, considerada a mais poderosa do mundo, foi construída especificamente para estudos de física de partículas, e a descoberta desta quarta é a mais importante que já foi feita lá até o momento.

Mas, e agora?
A descoberta foi confirmada por especialistas do CMS e do Atlas, dois grupos de pesquisa independentes que fazem uso do LHC. Apesar de usarem o mesmo acelerador de partículas, as duas colaborações científicas trabalham com detectores diferentes e seus resultados são paralelos. Os resultados antecipados ainda serão publicados em revistas científicas.

O físico Peter Higgs (Foto: David Moir/Reuters)O físico Peter Higgs defende há quase 50 anos a existência da ‘partícula de Deus’ (Foto: David Moir/Reuters)

Os cientistas medem a massa das partículas como se fosse energia. Isso porque toda massa tem uma equivalência em energia. Se você calcula uma, tem o valor das duas. A unidade de medida usada é o gigaelétron-volt, ou “GeV”.

No anúncio, o CMS disse que observou um “novo bóson com a massa de 125,3 GeV” – com margem de erro de 0,6 GeV para mais ou para menos – “em 4,9 sigmas de significância”. Esses “sigmas” medem a probabilidade dos resultados obtidos. O valor de 4,9 sigmas representa uma chance menor que um em 1 milhão de que os resultados sejam mera coincidência. Por isso, os cientistas consideram esse número como uma confirmação da descoberta.

O próximo passo dos cientistas é testar os vários decaimentos decorrentes dessa partícula. Se os resultados continuarem sendo coerentes com o Modelo Padrão, será confirmado que ela é mesmo o bóson de Higgs.

*Com informações da France Presse

fonte:

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/07/teorico-que-previu-particula-de-deus-diz-que-e-muito-agradavel-ter-razao.html