Acidente em Usina Nuclear – Chernobyl

desastre chernobyl

Chernobyl

 No ano de 1986 aconteceu o pior desastre nuclear da história: o reator 4 da Usina de Chernobyl explodiu. Quem estava na cidade Pripyat, que abrigava grande parte dos trabalhadores da usina, não teve tempo de fazer nada além de fugir. Todas as casas foram evacuadas. Os moradores não puderam levar nada, nem mesmo a roupa do corpo. Tudo o que eles tinham havia sido contaminado pela radiação e eles foram levados a uma escola, tomaram um banho e vestiram um macacão com proteção. Depois, essas 48 mil pessoas esperaram por até dois dias na praça da cidade para que ônibus soviéticos os retirassem de lá e muitas morreram. O lugar é carregado dessas energias, dessa tristeza que o acidente gerou. Hoje em dia todas as visitas são monitoradas e os visitantes tem um tempo limite para permanecer no lugar. O cenário é assustador: nas casas ainda há roupas intactas, objetos em cima dos móveis, louça nas pias, brinquedos no chão. É como se o tempo tivesse parado por lá.

Vejam alguns vídeos sobre o tema:

Vídeo 1-

Interessante matéria do programa “50 por 1”, sobre viagens. Nesse episódio visitam os arredores do reator de Chernobyl na Ucrânia e a cidade de Pripyat onde boa parte dos trabalhadores da usina moravam. A cidade virou cidade fantasma…

clique no link abaixo para ver o vídeo !

http://www.50por1.com.br/episodio_det.php?codeps=MTQw

 

 

Vídeo 2-

Zona de Exclusão do desastre de Chernobyl

Na Ucrânia, turistas visitam área contaminada de acesso restrito.
Reator que explodiu há em 1986 e cidade fantasma fazem parte do roteiro.

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/04/g1-acompanha-excursao-pela-zona-de-exclusao-do-desastre-de-chernobyl.html

caso o vídeo não abra, tente diretamente no youtube:

Vídeo 3-

Vídeo 4-

O documentário do link abaixo mostra como está a região de Chernobyl e Pripyat atualmente, também contando um pouco da história deste trágico acidente que marcou a humanidade e até hoje causa danos a muitas vidas.

Reator Nuclear de Pesquisa do IPEN- USP (São Paulo -Brasil)

Exemplos de Aplicações da Energia Nuclear

REATOR IEA-R1

Clique  para ver o Vídeo :  Vídeo Educacional Sobre o Reator IEA-R1 elaborado para o Instituto de Pesquisa de Energia Nuclear – IPEN.

Utilização do Reator

O IEA-R1 é um reator de pesquisa tipo piscina, moderado e refrigerado a água leve e que utiliza elementos de berílio e de grafite como refletores. Projetado para operar a uma potência máxima de 5 MW, este reator, nas primeiras décadas, operou a potência de 2 MW.
Sua primeira criticalidade ocorreu em 16 de setembro de 1957 e, após a fase inicial de testes e comissionamento, passou a operar na potência de 2 MW, segundo um ciclo de 8 horas por dia, 5 dias por semana.
A partir de 1993 passou a operar em ciclos de 64 horas contínuas semanais a 3,5 MW de potência permitindo irradiar materiais com fluxos de nêutrons térmicos de até 8,5×1013 n.cm-2.s-1 e nêutrons epitérmicos e rápidos da ordem de 1013 n.cm-2.s-1, num arranjo de 24 elementos combustíveis padrões, todos fabricados no próprio IPEN.

O reator dispõe de 144 posições de irradiação no núcleo, distribuídas em 15 elementos de irradiação para irradiações longas e um sistema pneumático para irradiações curtas (até 5 minutos). Além disso, possui nove tubos de irradiação horizontais (“Beam Holes”) que fornecem feixes de nêutrons, utilizados em experimentos de física nuclear, física de estado sólido, pesquisas em terapia de câncer por captura de nêutrons em boro (BNCT) e neutrongrafia.
Atualmente, o reator IEA-R1 é utilizado para as seguintes finalidades:

– Produção de radioisótopos para uso em medicina nuclear, tais como: o Samário-153, utilizado como paliativo da dor em metástases óssea e no tratamento de artrite reumatóide; o Iodo-131, utilizado na terapia de câncer de tireóide e hipertiroidismo, na terapia de hepatomas, na localização e terapia de feocromocitomas, neuroblastomas e outros tumores, no estudo da função renal, na determinação do volume plasmático e volume sanguineo total; e o Irídio-192, produzido na forma de fios metálicos, utilizados na técnica de braquiterapia para o tratamento de câncer. Pesquisas estão sendo realizadas para a produção de geradores de Tecnécio-99m, Lutécio-177 e Rênio-188.

– Produção de fontes radioativas para gamagrafia industrial e de radioisótopos para uso como traçadores em processos industriais, como Cobalto-60 (fonte utilizada em gamagrafia industrial), Bromo-82 (na forma de KBr é utilizado para medição de vazão em rios e em efluentes líquidos industriais), Mercúrio-203 (utilizado no controle de processos industriais), Criptônio-79 , Argônio-40 e Lantânio-140 (utilizados na inspeção de tubulações em refinarias de petróleo).

– Irradiação de amostras para a realização de análises multielementares, utilizando a técnica AAN (Análise por Ativação com Nêutrons), em materiais geológicos, produtos industriais como plásticos e resinas, catalisadores, petróleo, metais e ligas metálicas, amostras arqueológicas, tecidos animais e humanos, vegetais, alimentos e amostras ambientais.

– Pesquisas em Física Nuclear;
– Serviços de neutrongrafia;
– Treinamento de pessoal licenciado para operação de reatores.

NASA elege ‘2012’ o filme de ficção científica mais absurdo de todos os tempos

Dentre os sci-fis menos plausíveis :  o filme 2012
Dentre as ficções científicas mais verossímeis: “Gattaca”, de 1997, divide o ranking dos filmes mais realistas com “Parque dos dinossauros”, de Steven Spielberg, e “Contato”, estrelado por Jodie Foster

Contato….o meu preferido !!!!! AMOOOOO

Leia notícia completa no link abaixo:
http://cinema.yahoo.net/noticia/carregar/titulo/nasa-elege-39-2012-39-o-filme-de-fic-o-cient-fica-mais-absurdo-de-todos-os-tempos/id/28844

Filme CONTATO- 1997

Filme Maravilhoso !

 

Apresenta discussões verossímeis sobre Ciência, Fé e possíveis contatos com extraterrestres.

Informações Técnicas

Título no Brasil:  Contato
Título Original:  Contact
País de Origem:  EUA
Gênero:  Ficção
Tempo de Duração: 150 minutos
Ano de Lançamento:  1997
Estúdio/Distrib.:  Warner Home Video
Direção:  Robert Zemeckis

Elenco

Jodie Foster … Eleanor Arroway
Matthew McConaughey … Palmer Joss

Tom Skerritt … David Drumlin

e outros…

SINOPSE

Durante muito tempo, Elie Arroway (Jodie Foster) tentou manter contato com vidas extraterrestres inteligentes. Deixou de lado sua vida particular e até mesmo o amor do teólogo Palmer Joss (Matthew McConaughey). Depois de anos seu sonho se tornou realidade. Com origem na distante estrela Vega, chega a Terra uma informação cifrada e Ellie é primeira pessoa a captá-la e a única disposta a seguir cegamente a mensagem alienígena. Esta é a sua grande chance de fazer contato, mesmo que para isso tenha que correr risco de vida. Emocionante, fascinante e envolvente… prepare-se para fazer CONTATO.

 

Criador da Mostra Internacional de Cinema, Leon Cakoff morre aos 63 anos

 

Fica aqui minha simples homenagem a Leon Cakoff, fundador da Mostra de Cinema que mais amo em São Paulo !!!

 

Este ano estamos na 35ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que acontecerá de 21 de outubro a 3 de novembro.

Durante duas semanas, a 35ª Mostra Internacional de Cinema propicia que cinéfilos acompanhem cerca de 250 títulos dos mais variados países e cinematografias, que serão exibidos em 22 salas, entre cinemas, museus e centros culturais espalhados pela capital paulista. A seleção é um apanhado do que o cinema contemporâneo mundial está produzindo e quais as tendências, temáticas, narrativas e estéticas estão predominando ao redor do mundo.

 

Uma semana antes da 35a Mostra em SP, morre o fundador Leon Cakoff !

 

 

 

 

Um dos maiores nomes da resistência cultural no Brasil durante a ditadura, Leon Cakoff, fundador da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, morreu nesta sexta-feira, dia 14 de outubro, por conta de complicações decorrentes de um melanoma – câncer que atinge o tecido epitelial. Ele estava internado há duas semanas no Hospital São José, em São Paulo.

Leon Cakoff nasceu Leon Chadarevian em Alepo, na Síria, em 25 de junho de 1948. Veio para o Brasil com a família aos oito anos de idade e formou-se pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Por problemas com o regime militar, adotou o pseudônimo Cakoff, que nunca mais abandonou.

Leon foi casado durante 22 anos com Renata de Almeida, atual diretora da Mostra. Ela dirige a Mostra a seu lado desde a 13ª edição do evento, em 1989. Deixa dois filhos com ela, Jonas e Thiago, além de dois filhos do primeiro casamento, Pedro e Laura.

Ele começou a carreira em 1969 como jornalista e depois crítico de cinema nos Diários Associados. A partir de 1974, dirigiu o Departamento de Cinema do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e iniciou a programação de mostras e ciclos no museu.

Em 1977, para comemorar os 30 anos do Masp, Leon criou a 1ª Mostra Internacional de Cinema, com 16 longas e 7 curtas brasileiros e internacionais. Logo no primeiro ano, foi criada uma das maiores marcas do festival, o prêmio com o voto do público, que na primeira edição foi para Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia, de Hector Babenco. Um artigo do Jornal do Brasil registra que “a Mostra é o único lugar onde se pode votar no país”.

Desde a primeira edição, Leon travou uma luta ferrenha contra a censura imposta pelo regime militar, trazendo filmes até por meio de malas diplomáticas de embaixadas e consulados. Foi assim que a Mostra exibiu filmes inéditos vindos da China, Cuba, União Soviética, França e dos mais distantes países.

A partir de 1984, Leon desligou-se do Masp e carregou consigo o evento. A 8ª Mostra foi marcada por alguns dos maiores embates contra a censura. É o ano da histórica sessão de O Estado das Coisas de Wim Wenders no Cine Metrópole, ao fim da qual ele subiu ao palco para anunciar a ordem federal de fechamento do cinema e interrupção do festival. O fato repercutiu em diversos jornais no exterior. Leon conseguiu retomar as projeções quatro dias depois.
Grandes cineastas

Ao longo dos 35 anos de Mostra, Leon introduziu no Brasil o cinema de grandes autores que de outra forma não teriam chegado ao público nacional. Todos esses diretores tornaram-se também seus amigos pessoais. É o caso do português Manoel de Oliveira, o cineasta mais velho do mundo em atividade, hoje com 102 anos, de quem a Mostra apresentou regularmente os filmes a partir de Amor de Perdição (1979, na 3ª Mostra); o iraniano Abbas Kiarostami, diretor deGosto de Cereja e Cópia Fiel; e o israelense Amos Gitai, diretor de Kadosh e Alila. Todos vieram inúmeras vezes a São Paulo como convidados ou membros do Júri internacional da Mostra.

Outros grandes diretores que passaram pela Mostra foram o americano Quentin Tarantino com seu primeiro filme, Cães de Aluguel (1992, 16ª Mostra); o espanhol Pedro Almodóvar, que abriu a 19ª Mostra em 1995 com A Flor do Meu Segredo; o americano Dennis Hopper, que veio a São Paulo em 1984 apresentar O Último Filme; o alemão Wim Wenders, que veio a São Paulo na 32ª e na 34ª Mostra; o diretor de fotografia mexicano Gabriel Figueroa, que trabalhou com John Huston e Luís Buñuel, convidado da 19ª Mostra em 1995; o iraniano Jafar Panahi, hoje mantido em prisão domiciliar pelo governo do Irã; o sérvio Emir Kusturica e o finlandês Aki Kaurismaki, entre tantos outros.

 
Produtor, diretor e escritor

Leon Cakoff também foi o produtor de importantes projetos que reuniram grandes diretores. Em 2004, ele organizou e lançou na 28ª Mostra o filme Bem-Vindo a São Paulo, reunião de curtas sobre a cidade dirigidos por 12 cineastas, entre eles Caetano Veloso, Phillip Noyce, Maria de Medeiros, Daniela Thomas, Amos Gitai e Tsai Ming-Liang. Foi também o produtor de O Mundo Invisível, filme inédito que reúne curtas de Manoel de Oliveira, Wim Wenders e Atom Egoyan, que terá exibição na 35ª Mostra.

Leon dirigiu ainda os curtas Volte Sempre Abbas (1999) e Natureza-Morta (2004), ambos em parceria com Renata de Almeida, e Esperando Abbas (2004).

Ele escreveu os livros Gabriel Figueroa – O Mestre do Olhar, grande entrevista com o mexicano; Ainda Temos Tempo, com crônicas de viagem ligadas a cinema; Cinema Sem Fim, com a história dos 30 anos da Mostra; e Manoel de Oliveira, uma grande entrevista sua com o cineasta português.

Distribuidor e exibidor

Além de programador e produtor, Leon também atuou nas outras pontas do mercado cinematográfico. Em 2000, junto com Adhemar Oliveira, Patrícia Durães e Renata de Almeida, formou a distribuidora Mais Filmes, especializada em filmes de autor. Nos últimos anos, mantinha, com Renata de Almeida, a Filmes da Mostra, que lança filmes em cinema (como Tio Boonmee…, vencedor da Palma de Ouro em Cannes) e coleções em DVD, em parceria com a Livraria Cultura.

Com Adhemar, ele era sócio desde 2001 do Unibanco Arteplex, primeiro cinema do Brasil a usar o conceito de multiplex para incluir filmes de arte da programação.

Filme- Madame Curie

Madame Curie

Mostra como a paixão pela ciência pode ser algo fascinante.

Baseado na História Real do Casal francês Marie e Pierre Curie que trabalharam anos  juntos e ganharam um prêmio Nobel de Física . 8  Anos depois,   Marie  ganhou outro NOBEL, agora de Química  sozinha…

Marie Foi a primeira pessoa a receber duas vezes o Prêmios Nobel. Linus Pauling repetiu o feito, ganhando o Nobel de Química, em 1954 e o Nobel da Paz em 1962 e tornou-se a única personalidade a ter recebido dois Prémios Nobel não compartilhados. Por outro lado, Marie Curie foi a única pessoa a receber duas vezes o Prémio Nobel, em áreas científicas.

Sua filha mais velha, Irène Joliot-Curie, recebeu o Nobel de Química de 1935, ano seguinte à morte de Marie.

A sua filha, Éve Curie, escreveu a mais famosa das biografias da cientista, traduzida em vários idiomas. Esta obra deu origem em 1943 ao argumento do filme: “Madame Curie”, realizado por Mervyn LeRoy e com Greer Garson no papel de Marie Curie.

Poster de «Madame Curie»
  • Estados Unidos   1943
  • Drama  124m

Poster de «Madame Curie»

SINOPSE

Marie, uma jovem polaca estudante de física, casa com Doutor Pierre Curie, em cujo laboratório trabalhava há algum tempo. Na lua de mel decidem descobrir o que provoca o estranho efeito que o Prof. Becquerel assinalou ser provocado pelas pedras de urânio/tório. Após muitas experiências descobrem que deve haver mais elementos radioativos que a aqueles dois, e tentam isolá-los.

O Diário de Anne Frank

Filme bastante fiel ao livro – O diário de Anne Frank

Recomendo!!! 2a Guerra Mundial vista pelos medos , anseios e esperanças de uma jovem

Informações Técnicas
Título no Brasil:  O Diário de Anne Frank
Título Original:  The Diary of Anne Frank
País de Origem:  EUA
Gênero:  Drama
Tempo de Duração: 171 minutos
Ano de Lançamento:  1959
Site Oficial:
Estúdio/Distrib.:  Fox Home Entertainment
Direção:  George Stevens

SINOPSE:

A épica adaptação para as telas assinada por George Stevens de um dos mais comoventes documentos surgidos após a 2ª Guerra Mundial: o diário de uma garota judia de treze anos de idade, chamada Anne Frank. Para escapar aos horrores da perseguição nazista, Otto Frank (Joseph Schildkraut) escondeu sua esposa (Gusti Huber) e suas duas filhas, Anne (Millie Perkins) e Margot (Diane Baker) em um sótão desocupado em Amsterdã por dois anos. Lá, também escondidos, estavam o Sr. e Sra. Van Daan (Lou Jacobi & Shelly Winters), seu filho Peter (Richard Beymer) e um dentista, o Sr. Dussel (Ed Wynn). Em seu diário, Anne registra as dificuldades e medos das pessoas à sua volta que tentavam viver uma vida normal mesmo confinados no minúsculo sótão, estando todo o tempo sob ameaça de serem descobertos pela Gestapo. O estresse e a tensão quase insuportável da situação são habilmente expostos neste filme marcante e tocante.

Exposição de ficção científica

Metrô de São Paulo recebe exposição de ficção científica

A atração gratuita tem início amanhã (27/5), e vai até dia 12 de junho, na Estação Paraíso

26 de Maio de 2011 | 15:00h
Godzilla (Foto: Reprodução)
Godzilla

O metrô de São Paulo vai receber uma exposição gratuita de ficção científica entre os dias 27 de maio e 12 de junho. O evento é parte do “15º Cultura Inglesa Festival”, promovido pelo projeto “Encontros”, que traz atrações gratuitas às linhas do transporte público paulistano.

A exposição terá jogos de videogame, revistas e outras mídias, que contarão a história da ficção científica britânica através de um painel com linha do tempo interativa. Uma sessão de cinema também estará disponível ao público. Filmes como Guerra dos Mundos (Byron Haskin, 1953),Frankenstein (James Whale, 1931) e 2001 – Uma Odisseia no Espaço (Stanley Kubrick, 1968) serão exibidos a partir do segundo dia de exposição.

No dia 28, o local também contará com um grande debate sobre o assunto, dirigido por Roberto Causo, jornalista e editor de ficção científica, e Rogério de Campos, curador do 15º Cultura Inglesa Festival e diretor da Conrad Editora.

A atração está aberta à visitação das 5h às 0h (horário de funcionamento do metrô) dentro da estação Paraíso. Para ter acesso ao local é preciso pagar o valor do bilhete e atravessar a catraca.

Para mais informações, acesse a programação completa no site do Cultura Inglesa Festival.

Exposição multimídia – Ficção Científica Britânica

Data: 27/05 a 12/06

Hora: 05:00

Local: Estação Paraíso do Metrô

Entrada: Gratuita para usuários do metrô

Essa é para mergulhar de cabeça num mundo fantástico.

A estação Paraíso do Metrô ganha uma linha do tempo interativa no espaço do Projeto Encontros. Você poderá passear por entre painéis, vídeos, fotos, música, revistas, quadrinhos e muita informação.

Além desse passeio que conta a história da ficção científica britânica, você ainda pode se divertir no totem de games ou relaxar em um delicioso puff para devorar um livro. Para completar, tem o espaço do cinema, com discussões quentes sobre o tema e os filmes “Frankenstein”, “2001 – Uma Odisseia no Espaço”, “1984″ (imagem acima), “Guerra dos Mundos”, “O Homem que Caiu na Terra” e “Brazil”.
.


Filme Anjos e Demônios- Antimatéria

Existem algumas partículas elementares na natureza, algumas já foram detectadas outras são previstas por teorias e os cientistas tentam detectar utilizando experimentos como os feitos em Aceleradores de Partículas (no LHC por exemplo).

O texto a seguir dá uma ideia desse bizarro mundo de minúsculas partículas….

 

 

Observações:

 

A Tomografia por emissão de Pósitrons – PET é um exame que já é feito normalmente há alguns anos no Hospital das Clínicas de SP, por exemplo. Estive lá há alguns anos e acompanhei  exames  PET que estudavam pacientes com doenças mentais (esquizofrenia, epilepsia etc). Esses exames usam as tais antipartículas chamadas Pósitrons. Portanto ai não é ficção científica, é algo real mesmo que já tem muita aplicação inclusive médica.

Prof Helma

 

Ele desenvolve atividades de pesquisa na área de íons-pesados relativísticos nos experimentos STAR (RHIC), localizando no Brookhaven National Laboratory, EUA e Alice (LHC), no Cern.

 

link http://sampa.if.usp.br/~suaide/blog/?e=153

 

2010- O ano em que faremos Contato



Parece que foi ontem, quando vi " 2010 – O Ano em que faremos Contato" 
O filme  prometia desvendar alguns dos segredos que ficaram em "2001
– Uma odisséia no espaço" ,
fazendo-nos pensar sobre nossa própria existência. Fazendo-nos sonhar sobre a conquista do espaço e pensar sobre o que isso representa para o
ser humano.

Os anos passam, mas alguns livros e filmes clássicos permanecem ! E então passamos por 2001…e agora lá vem 2010 !
Muito da tecnologia prevista nos livros e filmes aconteceu. Quando pego um celular com os recursos atuais não há como não lembrar dos livros de ficção científica que eu lia na minha adolescência e dos filmes que até hoje revejo… Outras questões no entanto permanecem. Ainda bem que a ciência continua nos dando a honra de trazer novas descobertas a cada dia. É infinito mesmo, quando mais descobrimos, mais desejamos descobrir.

Que a sede do saber e a vontade da descoberta continuem a povoar o mundo e que as pessoas pacificamente lutem para que o ser humano evolua, sem destruir a Terra.

Que venha 2010 !

( o ano em que faremos contato??  bem que seria interessante…rs)

em tempo:

FILME

2010 – O Ano em que Faremos Contato
(2010, EUA, 1984)


Um novo tempo, uma nova odisséia, uma nova chance para confrontar os
enigmas surgidos na desafiante e perigosa missão Júpiter no ano de
2001. Os membros da tripulação a bordo da Leonov estão no curso para
encontrar com a Discovery, ainda em órbita. O que eles não sabem é que
também estão à beira de descobrir as respostas para os mais profundos
mistérios da humanidade. E que sua fé descansará nos ombros de silicone
do computador que eles religaram, Hal-9000. 
Neste impressionante e série baseado na obra de Arthur C. Clarke,
seqüência da novela 2001: Uma Odisséia no Espaço, o diretor Peter Hyams
(Capricórnio Um, Outland – Comando Titânio) usa toda sua habilidade num
assunto interessante e absorvente para construir um marco, cativante no
seu próprio estilo assim como foi seu predecessor. O ano é 2010. Tempo
para descobrir que não estamos sozinhos.

2010: O ano em que faremos contatoé a sequência do filme 2001- Uma Odisséia no Espaço de Stanley Kubrick, filmada em 1884 e baseada na obra homônima de Arthur C. Clarke escrita em 1982.