Partículas mais rápidas que a luz ?

Cabo com defeito pode explicar experimento que aparentemente contrariava Einstein

A conclusão de que algumas partículas podem viajar mais rápido que a luz pode ter sido resultado de um cabo com defeito, um desenlace possivelmente constrangedor para os físicos que anunciaram a descoberta com grande fanfarra, apenas alguns meses atrás.

Uma foto de arquivo datada de 22 de março de 2007 mostra o núcleo do maior magneto solenóide supercondutor do mundo, no acelerador de partículas Grande Colisor de Hádrons, da CERN, em Genebra, Suíça.

Cientistas da Organização Europeia para Pesquisa Nuclear, ou Cern, disseram em setembro de 2011 que partículas fantasmas chamadas neutrinos, propelidas de um laboratório em Genebra para outro na Itália, aparentemente fizeram a viagem em cerca de 60 nanosegundos a menos que a velocidade da luz — conclusão que rendeu manchetes no mundo inteiro. A descoberta também incomodou muitos cientistas céticos, que se disseram convencidos de que o resultado estava errado.

A verdade é que o único fantasma talvez estivesse mesmo na máquina. A Cern informou que identificou dois possíveis defeitos que podem ter afetado a experiência: um é relacionado ao oscilador que faz a marcação das estimativas de velocidade das partículas, o outro seria um possível problema num cabo de fibra ótica.

“Se esse for o caso, pode ter levado a uma estimativa menor que a realidade do tempo de voo dos neutrinos”, informou a Cern numa “atualização” de um parágrafo em seu site. O órgão planeja realizar novas medições em maio.

Os neutrinos são partículas praticamente sem massa ou carga elétrica e que podem atravessar a matéria incólumes. Bilhões deles atravessam o corpo de uma pessoa a todo instante, sem causar qualquer dano.

Na experiência conhecida como Projeto Oscilação com Aparato de Monitoramento de Emulsão, os neutrinos foram observados viajando pouco mais rápido que a luz, num caminho de 720 km  entre a Cern e o laboratório subterrâneo Gran Sasso, na região central da Itália. O resultado se baseou na medição de mais de 15.000 deslocamentos de neutrinos.

A teoria da relatividade de Albert Einstein contém o conceito crucial de que a velocidade da luz — cerca de 300.000 km  por segundo — é uma barreira que não pode ser superada. Na famosa equação  E=mc2, por exemplo, que relaciona a massa à energia contida nela, o “c” é a constante da velocidade da luz.

Se uma partícula viaja mais rápido que a luz, as coisas ficam estranhas. Isso sugere, por exemplo, que as partículas teoricamente podem voltar no tempo. Tal resultado não apenas vai de encontro às leis da natureza como elas são compreendidas atualmente, mas exigiria também uma mudança drástica na física de partículas moderna.

A noção de velocidade da luz serve em parte de base para a teoria de Einstein para a gravidade, a qual, por sua vez, é o ponto de partida para as atuais teorias sobre a evolução do universo.

O cálculo da velocidade da luz também foi incorporado a bilhões de medições realizadas em aceleradores de partículas, na busca para entender como se comportam os elementos básicos da matéria. Se algumas partículas pudessem ultrapassar a velocidade da luz, então a maioria desses cálculos teria de ser refeita.

Depois do comunicado de setembro, alguns cientistas desconfiaram dos resultados por causa de medições anteriores, que mostraram neutrinos emanados de uma supernova atingindo a Terra exatamente à velocidade da luz — o que contradisse a descoberta da Cern. Outros cogitaram que a montagem da experiência ou erros estatísticos poderiam ter influenciado a conclusão.

Guerra e Paz – Cândido Portinari no Memorial da América Latina – SP

Imperdível !!!

Guerra e Paz, de Portinari

Exposição dos painéis pintados por Candido Portinari

Período: 7 de fevereiro a 21 de abril de 2012

(depois o grande Painel percorrerá outras cidades e em 2013 voltará para a sede da ONU em NY)
Local: Fundação Memorial da América Latina,
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664,
nos seguintes espaços:
Salão de Atos, Galeria Marta Traba e Biblioteca Latino-americana Victor Civita.
Horário: terça a domingo, das 9h às 18h

ENTRADA FRANCA

http://www.memorial.sp.gov.br/memorial/AgendaDetalhe.do?agendaId=2346

Este slideshow necessita de JavaScript.

Homem faz obras de arte com a ajuda de acelerador de partículas

Arte ou Física?

Artista utiliza equipamento para bombardear pedaços de acrílico, criando desenhos incríveis

O artista norte-americano Todd Johnson desenvolveu uma técnica bem diferente para elaborar gravuras em pedaços de acrílico. Ele utiliza um acelerador de partículas para bombardear pedaços cilíndricos ou esféricos do material com 5 milhões de volts de eletricidade. Quando a eletricidade atinge o seu destino, ela diminui de velocidade e se aloca no fundo do plástico.

Dessa forma, ao tocar o acrílico com uma ferramenta pontiaguda, os elétrons presos são liberados. Na movimentação, as pequenas partículas quebram o material, deixando marcas e sulcos permanentes – representações literais do caminho que as descargas elétricas fazem até encontrar o solo. Essas marcas também ficam na pele humana, quando uma pessoa é atingida por um raio, por exemplo.

O processo pode ser feito em partes específicas do material, permitindo que o artista desenhe o que quiser no acrílico, como árvores ou borboletas. Iluminadas por luzes LED, as obras se tornam ainda mais incríveis.

Veja abaixo o vídeo em que todo o processo é mostrado ou confira uma galeria com imagens do trabalho:

Veja abaixo algumas imagens !

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pinacoteca do Estado de São Paulo

Um dos Museus mais interessantes de São Paulo. A  arquitetura do prédio é belíssima.

Além do acervo,diversas exposições temporárias passam pelo Museu.

A Pinacoteca do Estado é um museu de artes visuais, com ênfase na produção brasileira do século XIX até a contemporaneidade, pertencente à Secretaria de Estado da Cultura. Fundada em 1905 pelo Governo do Estado de São Paulo, é o museu de arte mais antigo da cidade. Está instalada no antigo edifício do Liceu de Artes e Ofícios, projetado no final do século XIX pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, que sofreu uma ampla reforma com projeto do arquiteto Paulo Mendes da Rocha, no final da década de 1990.

O acervo original da Pinacoteca foi formado com a transferência, do então Museu do Estado, hoje Museu Paulista da Universidade de São Paulo, de 26 obras de importantes artistas que atuaram na cidade como Almeida Júnior, Pedro Alexandrino, Antonio Parreiras e Oscar Pereira da Silva. Atravessou seu primeiro século de atividades acumulando realizações e formou um significativo acervo, hoje com cerca de nove mil obras. Passou por uma marcante transformação assumindo-se, gradativamente, como um museu de arte contemporânea, comprometido com a produção de seu tempo, com destacada presença no cenário artístico do País.

A Pinacoteca realiza cerca de 30 exposições e recebe aproximadamente 500 mil visitantes a cada ano. O primeiro andar recebe as exposições temporárias e o segundo é dedicado a mostra de longa duração de nosso acervo. A área central abriga o Projeto Octógono Arte Contemporânea, e no térreo estão as áreas técnicas, o auditório e a cafeteria.

O foco principal de todo trabalho desenvolvido pela Pinacoteca do Estado de São Paulo é aprimorar a qualidade da experiência do público com as artes visuais por meio do estudo, salvaguarda e comunicação de seus acervos, edifícios e memórias; da consolidação e ampliação desses acervos; e do estímulo à produção artística.


Pinacoteca do Estado de São Paulo – Logotipo

Pinacoteca do Estado de São Paulo 

Praça da Luz, 02 – Luz – Tel.             11 3324-1000
Terça a domingo das 10h às 17h30 com permanência até as 18h
Ingresso combinado (Pinacoteca e Estação Pinacoteca): R$ 6,00 e R$ 3,00
Grátis aos sábados.
Estudantes com carteirinha pagam meia entrada.
Crianças com até 10 anos e idosos maiores de 60 anos não pagam.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Museu Catavento

Museu Catavento: espaço para iniciação científica e diversão de crianças e adultos

Você vai  se surpreender em cada uma das 4 seções: Universo, Vida, Engenho e Sociedade.

E  entenderá como  é possível  aprender ciência e se divertir ao mesmo tempo.

Ouvir as estrelas, tocar um meteorito e ver os cabelos arrepiarem estão entre as atrações do local

Museu Catavento – Seção Universo

Um local fantástico para  ir com as crianças, adolescentes ou adultos.

O Museu Catavento está  instalado no Palácio das Indústrias, no Parque Dom Pedro II, centro de São Paulo, o espaço é dedicado às ciências.

Em uma área de 8 mil metros quadrados, o museu tem um auditório com 180
lugares, para cursos e palestras, e é dividido em quatro seções:
Universo, Vida, Engenho e Sociedade. Com entrada, iluminação e sons
diferentes, em cada uma delas há vídeos, painéis e maquetes como
suporte didático.

Mas o que deve saltar aos olhos de todos é a interatividade que o Catavento proporciona, como girar uma manivela e iluminar uma pequena cidade, por meio de uma hidrelétrica em miniatura, e deixar os cabelos em pé, com auxílio de um gerador de energia estática. É possível ainda fazer uma viagem aos planetas, às luas do sistema solar e satélites que orbitam a Terra.

Museu Catavento – Seção Engenho

Algumas instalações interativas podem ser manipuladas sem ajuda, por meio de orientações em painéis, outras são coordenadas por educadores e
monitores do local.

Não deixe de participar das sessões no espaço de Nanotecnologia e do Laboratório de Química. As senhas devem ser retiradas na entrada.

Recomendado para crianças a partir de 6 anos, o Catavento tem atrações para diferentes faixas etárias. A seção sobre sexualidade, por exemplo, é restrita a adolescentes a partir de 13 anos.

Serviço:

Catavento
Onde: Palácio das Indústrias – Parque Dom Pedro II, centro de São Paulo
Quando: terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h)
Quanto: R$ 6. Estudantes e idosos pagam meia
Idade para visitação: recomendado para crianças a partir de 6 anos
Como chegar: informações no www.cataventocultural.org.br/mapas.asp
Acesso por transporte público: estação de metrô Pedro II e terminal de ônibus do Parque Dom Pedro II
Estacionamento:  (somente para visitantes do Catavento): R$ 5
Infraestrutura: acesso para pessoas com deficiência locomotiva
Visitas de escolas e grupos acima de 10 pessoas devem ser agendadas no site www.cataventocultural.org.br

Este slideshow necessita de JavaScript.

NASA elege ‘2012’ o filme de ficção científica mais absurdo de todos os tempos

Dentre os sci-fis menos plausíveis :  o filme 2012
Dentre as ficções científicas mais verossímeis: “Gattaca”, de 1997, divide o ranking dos filmes mais realistas com “Parque dos dinossauros”, de Steven Spielberg, e “Contato”, estrelado por Jodie Foster

Contato….o meu preferido !!!!! AMOOOOO

Leia notícia completa no link abaixo:
http://cinema.yahoo.net/noticia/carregar/titulo/nasa-elege-39-2012-39-o-filme-de-fic-o-cient-fica-mais-absurdo-de-todos-os-tempos/id/28844

Filme CONTATO- 1997

Filme Maravilhoso !

 

Apresenta discussões verossímeis sobre Ciência, Fé e possíveis contatos com extraterrestres.

Informações Técnicas

Título no Brasil:  Contato
Título Original:  Contact
País de Origem:  EUA
Gênero:  Ficção
Tempo de Duração: 150 minutos
Ano de Lançamento:  1997
Estúdio/Distrib.:  Warner Home Video
Direção:  Robert Zemeckis

Elenco

Jodie Foster … Eleanor Arroway
Matthew McConaughey … Palmer Joss

Tom Skerritt … David Drumlin

e outros…

SINOPSE

Durante muito tempo, Elie Arroway (Jodie Foster) tentou manter contato com vidas extraterrestres inteligentes. Deixou de lado sua vida particular e até mesmo o amor do teólogo Palmer Joss (Matthew McConaughey). Depois de anos seu sonho se tornou realidade. Com origem na distante estrela Vega, chega a Terra uma informação cifrada e Ellie é primeira pessoa a captá-la e a única disposta a seguir cegamente a mensagem alienígena. Esta é a sua grande chance de fazer contato, mesmo que para isso tenha que correr risco de vida. Emocionante, fascinante e envolvente… prepare-se para fazer CONTATO.

 

LHC vai funcionar com mais energia em 2012

 O Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN) anunciou que o Grande Colisor de Hádrons (LHC), o maior acelerador de partículas do mundo, vai aumentar a potência. O objetivo é achar o Bóson de Higgs – ou Partícula de Deus – até ao fim do ano.

 

Isso porque este aumento da energia nas colisões de feixes de partícula tornará mais fácil a detecção do bosão de Higgs. Durante os últimos dois anos, os feixes de prótons colidiam com energias de 3,5 tera elétron-volts (TeV) (Um elétron volt (eV) é a energia adquirida por um elétron quando acelerado por meio de uma diferença de potencial de 1 volt por feixe). Agora, a energia vai ser aumentada para 4 TeV. Portanto, 0.5 TeV mais alto do que em 2010 e 2011.

Assim, os cientistas pretendem acumular o maior número de dados possível para confirmar ou descartar a existência do Bóson de Higgs ainda este ano e antes que o LHC faça uma longa pausa em suas operações.

 

No fim de 2012, o LHC vai parar de funcionar por 20 meses a fim de ser preparado para operar com energia máxima para a qual foi desenvolvido, que no caso é de 7 TeV.

 

O LHC

 

O Grande Acelerador de Hádrons é uma máquina com 27 km de comprimento, um circuito enterrado sob a fronteira franco-suíça.

 

Ele é capaz de fazer colisões de partículas, como prótons, a fim de testar os limites do Modelo Padrão, teoria moderna que explica o funcionamento físico do Universo. Um dos experimentos mais famosos consiste em localizar o Bóson de Higgs, a chamada Partícula de Deus. Assim, seria possível explicar a origem da massa no Universo.

 

Embora esteja prevista no modelo, essa partícula nunca foi identificada e é uma das grandes lacunas da física. Das 32 partículas fundamentais do Universo, como prótons, nêutrons e elétrons, o Bóson de Higgs é a única que ainda não foi detectada. Os cientistas acreditam estar cada vez mais próximos de encontra-la ou de descartar sua existência.

Aurora Boreal

 

As imagens da aurora boreal que provocou as tempestades solares detectadas em janeiro foram captadas pela Estação Espacial Internacional (ISS) e publicadas nesta sexta-feira (10/02/2012) pela Nasa (agência espacial americana) em forma de breves vídeos.
Os astronautas a bordo do complexo espacial obtiveram imagens noturnas nas quais se pode ver a luz esverdeada da aurora boreal sobre a escuridão do horizonte no Hemisfério Norte.

As imagens, tomadas entre 29 de janeiro e 3 de fevereiro, mostram centenas de cidades do México e do Golfo do México até a Costa Leste dos Estados Unidos.
Também há cenas que abrangem desde o estado do Texas até a região dos Grandes Lagos, assim como o fenômeno em sua passagem pelo Canadá.
As imagens foram tiradas de uma distância de 380 quilômetros a mais de 27 mil km/h, velocidade de órbita da ISS – plataforma que conta com a participação de 16 países.

 

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=tlM3jzcvUK4