Será?

Neutrinos podem ser mais velozes do que a luz, confirmam pesquisadores

23 de setembro de 2011 

Os responsáveis pelo experimento Opera confirmaram nesta sexta-feira ter constatado que os neutrinos, um tipo de partículas subatômicas, podem viajar a uma velocidade superior à da luz, algo que a física considerava impossível até agora.”As medições indicam a velocidade dos neutrinos superior à velocidade da luz”, disse Dario Autiero, membro do Instituto de Física de Lyon (França) e integrante do Opera.”Não podemos explicar os efeitos observados em termos das incertezas sistemáticas conhecidas” acrescentou Autiero durante um seminário no Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN), com sede em Genebra.

Cercado de grande expectativa, Autiero apresentou no seminário os resultados obtidos pelo Opera, que fez uma série de experimentos físicos para medir a oscilação dos neutrinos. Para isso, foram lançados feixes destas partículas do CERN até o laboratório de Gran Sasso (Itália), a 730 quilômetros de distância.

“Os resultados das análises realizadas indicam a chegada de neutrinos antes do tempo, assumindo como parâmetro a velocidade da luz”, explicou o físico em conclusões fundamentadas em uma ampla base de provas científicas.

“As medições se apoiaram em uma longa acumulação de estatísticas no Opera, com cerca de 16 mil operações no âmbito de uma campanha geodésica precisa e de uma série de medições calibradas feitas com técnicas diferentes e complementares”, acrescentou o cientista.

Os autores do experimento apresentaram os dados e evitaram fazer interpretações mais avançadas, dizendo somente que o resultado oferece uma série de “medições intrigantes”.

A notícia circulava há dias em grupos de cientistas e na internet. Nesta sexta-feira, o CERN pediu cautela antes de chegar a conclusões e ressaltou que são necessárias novas pesquisas.

A confirmação definitiva de que a luz não tem a máxima velocidade cósmica jogaria por terra um dos fundamentos básicos das ciências físicas e do trabalho teórico de Albert Einstein.

“Considerando as possíveis consequências do resultado, são necessárias medições independentes antes de refutá-lo ou estabelecê-lo de maneira firme”,

afirmou um comunicado do laboratório de física.

O CERN ressaltou que a possibilidade da velocidade do neutrino ser mais rápida que a da luz “não concorda com as leis da natureza”, consideradas atualmente como certas, mas reconheceu que a ciência avança “derrubando os paradigmas estabelecidos”.

“As fortes limitações que surgem destas observações fazem com que seja improvável interpretar os resultados do Opera como uma modificação da teoria de Einstein”, afirmou o CERN, que insistiu na necessidade de buscar novas medições.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s