Programa Descubra a Orquestra 2009

Dia 31 de março de 2009 o Chediak esteve na Sala São Paulo.
 

Assistimos ao ” Evento Didático
com a Orquestra Sinfônica Heliópolis  e o Regente Edilson Ventureli.

 

 

No Programa:

– Abertura de Ruslan e Ludmila – de Mikhail Glinka
– Abertura de Romeu e Julieta – Tchaikovsky
– Abertura de Carmen- de Georges Bizet
– Aquarela do Brasil- ARY BARROSO
– Pout-pourri de Hinos de Futebol


 

fotos by  Prof Helma

 

Sobre a Acústica da Sala São Paulo:

http://www.salasaopaulo.art.br/salasp/historia/acustica.aspx

Um pouco de Física:     Conceito Reverberação

Reverberação
é um fenômeno de prolongamento de um som após o fim da emissão deste mesmo por parte de sua própria fonte sonora. Diferente do eco que ocorre quando o atraso temporal é grande em relação à percepção do nosso ouvido, para reverberação ocorrer a diferença entre os instantes de recebimento dos dois sons deve ser inferior a 0,1 s. Desta forma nosso ouvido reconhece o som recebido como um prolongamento do som original, pois a taxa de percepção sonora humana é muito lenta quando comparada à um tempo inferior a 1/17 de segundo. Quando as reflexões de um som ocorrem dentro de um tempo inferior a essa taxa (Figura 1), percebemos apenas um som contínuo que vai perdendo “força” à medida que se reflete mais vezes e é atenuado naturalmente.

Consequências da Reverberação 

O resultado de um efeito de reverberação em excesso seria tornar uma fala ininteligível, ou comprometer a compreensão do que se fala, como o caso de uma sala acústica. Já em aplicações musicais, onde efeitos artificiais são introduzidos, a reverberação é usada com o objetivo de criar ambiência ou profundidade ao som, produzindo uma sensação mais natural. Em estúdios mais antigos, para criar efeitos como os de reverberação, muitas vezes utilizavam-se salas especiais de paredes revestidas com materiais acusticamente reflexivos e que proporcionavam a ambiência desejada à gravação.

Para cada tipo de sala construída existe um tempo de reverberação ótimo que pode ser previsto antes da sala estar pronta. O tempo de reverberação, este contado desde o encerramento da emissão por parte da fonte sonora até o termino da percepção do tom, não deve ser excessivo em auditórios ou salas de aula, pois isso causaria  dificuldade para entender o orador.
A duração deste tempo de reverberação varia conforme muitas variáveis como o local e sua geometria, os materiais que serão afetados pelas ondas sonoras e também a absorção e reflexão destas. Em locais abertos ou com pouca reverberação o tempo de reverberação se encontra nulo ou muito proximo de zero, já em locais como catedrais e salas acústicas com muita reverberação o tempo pode chegar a mais de 20 segundos  mas em geral uma boa reverberação ambiente dura entre 0,2 e 0,3 segundos.

É possível calcular o tempo de reverberação de uma sala através da  seguinte fórmula:

T = 0,161 * (V/A)

onde:
T=Tempo de Reverberação, V = volume em m³, A = Absorção em m², e 0,161 é uma contante que torna o cálculo mais preciso.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s